Clica.net
Publicar Conteúdo
11/04/2011 - Não pergunte onde está Deus

Não pergunte onde está Deus, se você não se importa onde está o homem.Na nossa bandeira, as brancas estrelas vermelhas estão, banhadas com o sangue dos nossos irmãos.Há no mundo mais pessoas boas do que más? Felizmente sim, mas também há mais omissos do que malfeitores.

Temos mais medo do pecado da pena de morte do que pena do pecado da morte.Condenados  já estamos.  A única dúvida é quem será a próxima vítima.

Nas filas, para visitar reclusos delinquentes, passam mais horas pais que jamais passariam acompanhando-os e ajudando-os nos deveres de casa, ouvindo suas inseguranças e necessidades.

Muitas vezes perguntei a algumas pessoas por que não faziam as lições com os filhos. Uma resposta era muito comum: - Não gosto!

A matemática não vê o que a aritmética não sabe. Seguimos na ignorância quando a busca do conhecimento e ensinamentos incomoda.

E assim, temos alienados filhos distantes.

O que provocou esse distanciamento?

Crianças podem ser filhos do amor ou do acaso. Acaso as gerou, por acaso não as tirou, atirou!

O homem sem limites, não impõe limites.

Quantas noites não levei, depois das festas, com meus filhos, seus amigos adolescentes para casa, pois os pais não se importavam em buscá-los.

Quantas vezes não aguardei nas calçadas para que os sonolentos pais ou mães, depois de um tempo, com má vontade, abrissem as portas para que os filhos entrassem.

Diziam os adolescentes: - Pode ir tio!

Jamais! O tio espera.

Jamais deixaria o fio da vida sob o risco de ver a vida por um fio.

Uns não cuidam porque não querem, outros porque não podem e muitos porque não gostam!

Filhos, abandonados, crescem!

Jamais dotados, adotados. Pelo crime, pela mão da maldade.

O filho do descuido, do descaso, em seu carro último tipo, das mãos do filho do acaso, recebe as drogas que um dia irão matá-lo. Quem sabe alguns mais, enquanto o fornecedor do infortúnio tem os dias contados, em qualquer beco escuro, a qualquer hora. Uma bala, uma picada, a morte.

Não precisamos de cartas, búzios, nem as linhas das mãos para prevê-la. Está na cara, nas marcas da desilusão.

Morto? Quem se importa?

Importa! Importa a arma, a droga, o vício!

A dor, a reza tira: - Senhor, perdoai-os, eles não sabem o que fazem!  Quando, abandonados, fazem o que sabem.  E, no pecado da omissão ficamos.

E, nos sentimos perdoados.  Assim,  pecadores seguimos.

- Senhor, perdão, pequei! Penitência!

- Senhor, perdão, errei, mas prometo correção. Penitência!

- Senhor, perdão... Impertinência!

Quantas vezes mais pedirás perdão? Sete vezes sete não lhe bastam? Será setenta vezes sete?

Insolente, por tua omissão tens o sangue nas mãos. Teu filho matou...

- Meu filho? Nunca, é um bom menino.

- Senhor, o perdão.  Irei corrigi-lo.

Impossível, não vive mais!

Partiu como chegou: um incômodo em vida, um transtorno na morte.

- Piedade Senhor, Sua misericórdia, um pouco de paz...

Que homem é esse que mente, engana e roga?

Que homem é esse que aos Santos pede e nada dá em troca?

Que homem é esse que clama por paz, mas na alma carrega o crime da omissão.

Que homem é esse que nas horas da dor pergunta onde estava Deus e nunca se importou onde estava o homem?

Ivan Postigo

Diretor de Gestão Empresarial

Postigo Consultoria Comunicação e Gestão

Fones (11) 4526 1197 / (11) 9645 4652

www.postigoconsultoria.com.br

Twitter: @ivanpostigo

Skype: ivan.postigo

Nossas maiores conquistas não estão relacionadas às empresas que ajudamos a superar barreiras e dificuldades, nem às pessoas que ensinamos diretamente, mas sim àquelas que aprendem conosco, sem saber disso, e que ensinamos, sem nos darmos conta.


Comentários

Pesquisar


Facebook


Parceiros



Parceiros: Bolsa de Valores | CPMStar Sponsorship Code
© Clica.net - Todos os Direitos Reservados